A MAIS BELA CARTA QUE FALA DO AMOR

Analisem esta carta com profundidade e procurem aproveitar seu verdadeiro conteúdo. Eis a carta de Paulo aos Coríntios: "Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará. O amor é paciente, é benigno, o amor não arde de ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba. Mas, havendo profecias desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará. Porque em parte conhecemos, e em parte profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, o que então é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como um menino, sentia como um menino. Quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino. Porque agora vemos como em espelho, obscuramente, e então veremos face a face; agora conheço em parte, e então conhecerei como sou conhecido. Agora, pois, permanecem a Fé, a Esperança e o Amor. Esses três. Porém, o maior deles é o Amor ". Paulo se refere aos grandes pregadores do Evangelho e diz: "Ainda que fale as línguas dos homens e dos Anjos etc..". São em sua maioria palavras ditas sem emoção, vazias. É muito fácil jogar uma moeda para um pobre na rua. Deixamos de nos sentir culpados pelo cruel espetáculo da miséria. É barato para nós e resolve o problema do mendigo. Entretanto, se realmente amássemos aquele pobre, nós faríamos muito mais por ele. O amor é a verdadeira energia da vida. Você sabe o que quer dizer "nobre". Significa alguém que age de maneira digna. Este é o mistério do Amor. Quem possui Amor em seu coração, não pode agir grosseiramente, ao passo que o falso nobre, aquele que é apenas esnobe, está preso a seus sentimentos e não consegue amar. Mais difícil ainda é não procurar alguma recompensa para nós mesmos quando amamos. Sei que é muito difícil abrir mão de uma recompensa. A lição mais presente em todos os ensinamentos espirituais nos diz: não existe felicidade em ter e receber; apenas em dar. Realização, entretanto, é dar e servir. O resto não tem importância. Para sentirmos o amor verdadeiro, e não um momento de entusiasmo, precisamos de uma prática constante e diária. Permaneça perto da obra de Quem nos amou e você será imantado por esse Amor. Qualquer pessoa que buscar esta Causa terá o seu Efeito. Por isso, não deixe que seu amor se prenda às coisas do mundo. A alma imortal deve entregar-se a algo imortal. O Amor será sempre a única moeda corrente aceita no Universo. Meus irmãos, em nome desse Amor, quantas coisas poderemos realizar em benefício de nosso próximo, dedicando-nos com um pouco de nosso tempo, às obras assistenciais a irmãos necessitados. Em quantos feriados, sábados, domingos etc, nós deixamos de realizar alguma coisa útil na obra do "servir", para ficamos presos em nossos lares, acorrentados em nossas poltronas, com a visão falsa e deturpada dos programas televisivos? Quantas crianças carentes em Orfanatos adorariam sua presença? Quantas vovós asiladas gostariam de receber sua visita? Quantos enfermos iriam gostar de sua visita ? Será que basta somente a sua fé ? Ir a Igrejas? Rezar muito ? Claro que não! "A fé sem obra é morta." A Obra, é servir, é amar ! Um dia, na Pátria Espiritual, não será levado em consideração em que acreditamos, qual a nossa religião, qual nosso padrão financeiro, os erros que cometemos etc. Seremos julgados pelo bem que deixamos de fazer. Manter o Amor trancado dentro de si é ir contra o espírito de Deus, é a prova de que nunca O conhecemos, de que Ele nos amou em vão, de que Seu Filho morreu inutilmente. Nos diz o grande conferencista Henry Drummond, cuja obra foi adaptada por Paulo Coelho, o seguinte: "E cada homem julgará a si mesmo. Ali estarão presentes aqueles que encontramos e ajudamos. Ali também vão estar aqueles que desprezamos e negamos. Não há necessidade de chamar qualquer Testemunha, pois nossa própria vida se encarregará de mostrar, na frente de todos, o que fizemos. Não se enganem: as palavras que neste Dia ouviremos não virão da teologia, não virão dos santos, não virão das igrejas. Virão dos famintos e dos pobres. Não virão dos credos e das doutrinas. Virão dos desnudos e dos desabrigados. Não virão das Bíblias e dos livros de Orações. Virão dos copos de água que damos ou deixamos de dar. Quem é o Cristo ? É aquele que alimentou os pobres, vestiu os nus e visitou os doentes. Onde está o Cristo ? "Todo aquele que receber uma criancinha destas em seu nome, também me recebe". E quem está com Cristo ? Aquele que ama. Meus irmãos, vamos acordar hoje, agora, para o Amor ao Próximo, pois Ele é a única Religião que existe.

Paz a todos.

Fernando de Magalhães

Clique na flor para voltar